A geração mais “mimimi” que já existiu (e você tem o desprazer de fazer parte dela)

geração imbecil

Você precisa de uma religião, de um lado político definido, você precisa mostrar preocupação social com qualquer pequena coisinha que acontece nesse mundo (ainda que você não se importe com ela). Você precisa se sensibilizar com a morte de cada ator e cantor famoso (ainda que você nunca tenha visto nenhum de seus filmes ou ouvido nenhuma de suas músicas e precisa se sensibilizar com todas as causas que estão espalhadas por aí.

Você precisa ter uma opinião a respeito da legalização da maconha, do casamento gay e da amamentação em locais públicos. Você precisa escolher entre Jean Willys e Malafaia, entre Luciana Genro e Bolsonaro, entre Dilma e Aécio. Você precisa ser da esquerda ou da direita. Você precisa se definir por tudo aquilo que o mundo quer que você seja.

Você precisa ter uma opinião sobre o feminismo e sobre o movimento LGBT. Você precisa dar sua opinião sobre tudo, ainda que ninguém esteja se importando com ela. Você precisa reclamar de tudo que está de errado com o mundo, ainda que não faça a sua parte para construir um mundo melhor.

cxc

Você precisa se rotular. Sim, você precisa fazer tudo isso e se rotular. Esqueça a sua identidade. Você precisa ter uma opinião formada sobre “aquilo que aquele repórter falou na TV” ou sobre “aquilo que o Tico Santa Cruz compartilhou”. Você precisa fazer tudo isso pra fazer parte da geração mais imbecil que já existiu. E não, você não pode ficar de fora.

Você precisa ser um especialista político, um especialista em empreendedorismo e em Direitos Humanos. Você precisa mostrar que sabe de tudo. Precisa falar mal da imprensa e se mostrar um “pensador independente”. Você precisa odiar todos aqueles que tiveram algum sucesso na vida para disfarçar a sua própria frustração.

Ou não.

Talvez você não precise de nada disso. Talvez você possa ter sua própria opinião sobre os assuntos que realmente lhe interessam e lhe dizem respeito, se abstendo daquilo de que você não sabe nada. Francamente, você devia estar cuidando da sua própria vida.

Defenda as causas que entender cabíveis e faça somente aquilo que tiver vontade. Você não precisa parecer politizado, parecer um especialista econômico ou citar referências bíblicas que não se aplicam na sociedade contemporânea. Talvez você possa (e sim você pode) descobrir a sua opinião sobre as coisas por si próprio.

Talvez você não precise odiar o mundo e nem aqueles que não pensam da mesma forma que você. Podemos discutir por horas sobre todos esses assuntos que eu citei acima. E podemos discordar em todos os pontos. Francamente, devíamos todos cuidarmos de nossas próprias vidas. O direito de um termina onde começa o direito do outro.

Pensar fora da caixa talvez seja uma afronta para a sociedade em que vivemos. Ter suas próprias convicções feitas com uma consulta interna a nós mesmos parece algo irreal. Nesse caso, afronte. Nesse caso, seja irreal. Ninguém vê o mundo da mesma maneira que você. Não tome a visão e as ideias dos outros para si. Descubras as suas próprias ideias.

Leia também: Para não ser cuzão: Pare de enxergar Ideologia Política em absolutamente TUDO

Leia também: Ser apartidário não significa “ficar em cima do muro”

 

Anúncios

188 comentários

  1. Se você chegasse em algum momento a descrever o que é “mimimi” mas sendo assim, parece só um texto revoltoso com aqueles jovens que tentam ter opinião sobre tudo, e se a moral do texto é pra eles cuidarem da vida deles, fica sem sentido, porque já temos você, autor, fazendo isso.

    Curtir

  2. Eu acredito q existem dois lados nesse comportamento de precisar se posicionar, de se mostrar e de expor como alguém adequado. Tem um lado positivo, onde as pessoas tem a liberdade de assumir posicionamentos e dá abertura para discussões que permitem uma reflexão interessante e as minorias são prestigiadas nesse movimento onde vc ver pessoas denunciando abusos e maus tratos.

    Mas existe um lado negativo onde o tiro sai pela culatra, ou seja, pessoas alienadas ao tomar partido, pq hj nosso pais está dividido em duas correntes opostas, os coxinhas e os petralhas, que vai alem de politica, coxinhas são extrema direita conservadora, e os petralhas comunistas com uma mente progressista defensores das liberdades individuais, entretanto, é tudo muito raso e superficial, parece q o mais importante é o q vc fala e qual a repercussão do teu discurso nas redes sociais, é uma geração que acima de tudo quer fazer parte de alguma coisa, o q ñ é muito diferente das outras gerações, todo mundo quer se sentir inserido em algo, mas o q tem de errado nisso? o egocentrismo essa compulsão por “problematizar” tudo, além de ser impossível pq ninguém sabe tudo sobre tudo, no fundo (nem tão fundo assim) é por um interesse mesquinho a grande impressão q eu tenho é q todo mundo quer ser famoso, o politicamente correto ou o defensor da família, p mim dá no mesmo pq ninguém parece querer trocar argumentos e de fato melhorar, mas sim mostrar p/ redes sociais q vc defende uma corrente, q vc é descolado (cachorro feat tatuagem da moda) ou tem uma família feliz.

    Nada parece ser mais importante do que a impressão q sua existência passa p mundo, sendo assim, acho q esse movimento de falar tudo sobre tudo, não diz nada sobre nada apenas muita vergonha alheia, ignorância, e acima de tudo uma forma muito clara de egoismo e hipocrisia dos dois lados. No fim de tudo é uma grande Ode ao vazio e futilidade (discurso de quem só ler a capa (ou wikpedia) dos principais livros da atual conjuntura) pq o q vc mostra tem muito mais valor do q suas atitudes cotidianas, daquelas horas que ninguem vê o q vc faz na prática, e aquela velha história sobre caridade, quem faz o bem ñ precisa mostrar p ninguém, e se o faz subverte o principio da caridade, publicidade sobre isso é uma das formas de egoísmo.

    O texto postado mostra uma aparente contradição, pq é importante vc saber se posicionar, estudar se informar, denunciar, o q vc fala é importante sim, entretanto esses objetivos estão muito distantes do q acontece hj, pq faz exatamente o contrário dissemina alienação (um exemplo são os cientistas políticos do Facebook) pq na verdade o mais importante é registrar sua presença sobre qualquer acontecimento no mundo, por isso não tenho duvida alguma sobre a essência do texto acima, precisamos viver,saber ouvir divergências, eu concordo plenamente com isso, a vida fora dos “holofotes” do mundo virtual é o q interessa, afinal de contas, tá cheio de gente boazinha no face, mas no mundo real não consegue ter empatia por nada nem por ninguém.

    Curtir

  3. Na verdade você não pode ser de direita. A geração mimimi só aceita esquerdistas. Você pode ter sua opinião desde que concorde com a maioria ou com os mimizentos. Não pode gostar do Bolsonaro, não pode gostar do Aécio e nem do Malafia (esse é um pé no saco mesmo), mas não pode ser de direita. Precisa falar tudo o que eles querem ouvir, precisa pensar tudo o que eles pensam e precisa concordar com tudo que eles nos bostejam.

    Curtir

  4. Caro autor deste artigo, vai tomar bem lá, onde o sol não bate. O que você sujere é que sejamos um bando de alienados, analfabetos políticos e sem juízo próprio. Se quer tanto assim, que cada um cuide da própria vida, cuide”você ” da sua, e pare de encher o saco de quem tem opinião e idéias próprias.

    Curtir

  5. Engraçado tratar como “mimimi” vários assuntos que são de extrema importância para uma nação… Triste em ver blogs que além de desencorajar o conhecimento, estimulam o leitor a ter “opinião”, coisa que pra mim de nada vale se não for extremamente bem fundamentada. Bom, fico feliz em não ser um dos leitores que concordam com você. Abraços

    Curtir

    1. Cara, quem não é gay, quem não é feminista, quem não é Dark, punk, maconheiro, ou oque for não ta nem ai pra essas causas, as pessoas só querem conseguir o seu lugar ao sol, ta todo mundo cagando pra quem da o cú, pra quem tira o sutiã pra protestar e pra quem se acha o rebelde sem causa, nós só queremos viver.

      Curtir

  6. Vivemos a década dos frescos e inconformados, onde todos levantam bandeiras sem saber para que serve um mastro; onde todos sentem-se oprimidos de alguma forma, no momento exato em que oprimem os seus “possíveis” opressores; onde os conhecidos entram em conflitos por confundir opinião com crime; onde os negros, gays, heteros, elite branca e a puta que los pariu são separados, segregados, instigados a grosseria ou a sentimento de coitados.

    Um bando de frescos e inconformados.

    O estado deita e rola enquanto um monte de desajeitados procuram no “vizinho” motivos para se manifestar; criticar; desabafar; fofocar; desdenhar; enlouquecer; esquecer e se acomodar. E depois de se “aliviar” na tremenda falta de bom-senso, voltam para casa de boca seca, bolso fundo, saco cheio, e continuam desesperados.

    Um bando de frescos e inconformados

    Curtir

    1. E pra quê serve um mastro para você, já que nós não sabemos? Não posso concordar com a sua opinião, e não te culpo, porque vejo pela sua foto que você não tem com o que se preocupar mesmo, homem, branco, hétero(penso que seja isso, porque se não fosse não diria tal discurso). Você não tem pelo que lutar, os seus direitos não são questionados. E ainda bem que somos inconformados, porque se tivéssemos o mesmo pensamento conformista que o senhor prega, os negros ainda estariam na senzala, as mulheres na cozinha, os não-héteros escondidos. E me desculpe se entendi errado o seu texto, fique à vontade para me corrigir.

      Curtir

      1. Chegou mais um da turma do mimimi. Se você é branco e hetero, meu amigo, você é privilegiado. Sua opinião não vale nada. Tem que ser qualquer cor (exceto branco), e gay, ou Bi, ou transferência, ou sei lá o que.

        Curtir

  7. Recentemente participei de uma discussão sobre racismo e me contentar em postar um ou outro comentário porque as pessoas haviam transformado tudo em uma competição de egos desvairada para decidir quem “entendia” mais do assunto ou “humilhava/lacrava/mitava/sambava” (ou qualquer idiotice congênere) mais que os “concorrentes”. Queria muito ter nascido no século XIX para não ter de conviver com gente que publica texto longo pra criticar as guerras com armas, mas fica ofendendo o colega na internet porque a opinião não agradou.

    Curtir

    1. Victor. A questão é o que fez esta geração chegar a este ponto. Não é nenhuma coincidência que os governos de todos os países do mundo queiram estar no controle da educação das crianças. Os serviços de educação fornecidos pelo aparato estatal supostamente devem ser vistos como uma evidência da bondade do estado e da preocupação de seus burocratas para com nosso bem-estar.

      Mas o real objetivo é bem menos bajulador, e muito fácil de entender: se toda a propaganda governamental inculcada nas salas de aula conseguir criar raízes dentro das crianças à medida que elas crescem e se tornam adultas, estas crianças não serão nenhuma ameaça ao aparato estatal. Elas mesmas irão prender os grilhões aos seus próprios tornozelos. Por isso esta tão em voga o politicamente correto e temos tantos querendo mais “direitos”; esta geração foi criada dentro de 200 anos de dominação de politicas voltadas para um estado grande que controla todos aspectos da vida do cidadão. Quando a minima chance aparece para demostrar um pouco de liberdade como na internet, você tem os mais radicais defensores de cada lado em qualquer assunto.

      Curtir

  8. Eu e o autor desse texto,um bom texto por sinal, discordamos em muitas coisas. Diferente dele, acho incrível essa mobilização dos jovens por assuntos que não são exclusivamente “da vida deles”,temos jovens que deixaram de cuidar das suas vidas pra defender direitos de toda sociedade. Jovens engajados…lutando diariamente pelo que acreditam. Eles pensam em política, em igualdade, lutam, brigam, expõem suas opiniões, estudam a respeito…estão preparados para sair da inércia, estão cansados de ficar “com a cara limpa e a roupa suja esperando que o tempo mude”.
    claro que há os que são apenas levados pela multidão, sem nem saber o que estão fazendo, mas eles não são o todo e até eles podem se inspirar e começar a lutar de verdade, com alma e intelecto.
    É, após esse texto pude notar que sou uma jovem MIMIMI. Com orgulho deixei para traz a “geração coca-cola”, a minha geração juvenil não é apenas “uma banda numa propaganda de refrigerante”.
    Avante, geração MIMIMI!

    Curtir

    1. Perfeito! A inteligência incomoda! Os nerds eram estigmatizados e discriminados e fizeram a revolução da informática. E agora, muito graças a internet, as pessoas estão mais interessadas, a sociedade está mesmo demandando que as pessoas melhorem, e daí muita gente se sente ameaçada pela inteligência alheia. Ótimo! Se está incomodando é porquê está funcionando!

      Curtir

    2. De que adianta opinar sobre tudo e si fazer ativismo de sofá? Precisamos de menos opiniões e de mais ações. E a crítica que o autor faz a opinião não é por opinar em si, mas de estar opinando sem conhecimento de causa ou de assuntos que nem são do seu contexto, mas principalmente, o autor crítica a polaridade, opiniões que só servem para dividir, agredir, criar bandos e não chegar em consenso nenhum. Antigamente quando as pessoas abriram a boca para opinar iam com soluções e ações concretas, eram corajosas ao falar na cara e não atrás da tela de um dispositivo. Realmente a geração mimimi é muito triste de ler, pois nunca conseguimos vê-la dando a cara pra bater num momento crítico.

      Curtir

    3. Pena que as pessoas cheias de “certezas” geralmente são as mais ignorantes e as que militam, ou o fazem pelos seus próprios interesses (vantagem ou status) ou são manipulados por ideais, correntes filosóficas ou partidos políticos. Muitos se aproveitam destas “causas” para se promover ou fingir que representam pessoas de minorias que muitas vezes nem concordam com aquilo que a criatura propaga.

      Curtir

      1. Exatamente! Como alguém disse alguma vez: “O problema do mundo de hoje é que as pessoas inteligentes estão cheias de dúvidas, e as pessoas idiotas estão cheias de certezas…”

        Curtir

    4. O texto não condena a ação, condena a rotulação de ações. Ele não estimula a não participação política ou social ele apenas mostra que nós defendemos causas como quem torce para um time de futebol, a minha causa é a certa e todas as outras estão erradas, isso só causa segregação e conflitos. o ideal é o diálogo livre de ofensas e com a capacidade de reconhecer que o outro está certo.

      Curtir

    5. Concordo plenamente, eu pensei praticamente a mesma coisa enquanto estava lendo o texto. Está geração tem me orgulhaado MT, eu quando mais nova sonhava com o momento em que nossa sociedade não se calaria mais diante de diversas situações absurdas que vivemos e finalmente isto está acontecendo. A internet tornou-se o meio mais democrático de liberdade de expressão, de educação e de empoderamento. As pessoas não querem mais se calar e isso é magnífico, o debate é o caminho do conhecimento e se isso for mimi, que venha mais mimi.
      Claro que existem as ofensas, os achismos sem fundamentação, entre outras coisas, mas isso é um fato consequente do início dessa revolução que vivemos, o degrau inicial é o mais complicado, mas ver nossos jovens se mobilizando, tanta gente se empoderando é lindo demais !

      Curtir

    6. Só tem um detalhe! A maioria dos “líderes” buscam um objetivo apenas. Ter notoriedade para serem deputados, a exemplo de seu Lindenberg Farias que pintou a cara e depois foi nadar na lama do Petê, o partido mais corrupto da história deste país.

      Curtir

  9. Gostei do texto, pena que muita gente não entendeu. Acho que o mal de nossa geração é o maniqueísmo, são os extremos, não existe diálogo, não existe o caminho do meio. Ou se é x ou se é y, não há espaço pra a, b ou c… falta equilíbrio e sensatez..

    Curtir

  10. Concordo com quase tudo. Menos não ter opinião política. Pois isto que nos leva a eleger sempre os mesmos bandidos. Continue ignorando a política e verá o país governado denovo e denovo pelos mesmo ratos de sempre.

    Curtir

    1. Concordo com você.. Acho que se não houver uma posição política, é suicídio. Pois se as pessoas não entenderem, votam sempre nos bandidos e o país não vai pra frente.

      Curtir

    2. Não exatamente. Na verdade, o problema não (somente) os políticos, o problema é na Instituição maior, o próprio Estado. Um livro bem legal sobre isso é o do Bruno Garschagen.

      Curtir

  11. Muitos comentários aqui sao ums materialização da ideia do autor. Se eu não concordao com o texto ele é lixo, perda de tempo e o autor merece morrer, mas não sem antes tentar provar que minhas idéias são melhores. Vi até um comentário aqui da pessoa dizendo que não respeita a opinião do autor, a que ponto chegamos, não somos obrigados a concordar com nada, mas o respeito deve sempre existir.

    Curtir

  12. Excelente texto amigo. Tenho filhos da geração “mi mi mi” e tuas palavras se encaixam feito luvas…. eu ainda sou mais o Raulzito: prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo!!!! Abraços e continue escrevendo, vc é fera!!

    Curtir

  13. Absurdo pregar alienação política e social assim, foi assim que entendi esse texto infeliz. Eu cresci vendo a geração anterior (e a minha) entoando o mantra: Futebol, religião e política não se discute.
    Deu no que deu: perdemos de 7×1 numa Copa em casa; as pessoas não amam o próximo, e nem ninguém a si mesmas; e temos essa corja na política e no governo. Pensando assim temos uma sociedade idiota, onde bandido é vítima, onde quem produz precisa pedir licença a quem não produz nada, onde ser conservador é considerado fascista, onde esquerdista é considerado progressista, onde não existe mais a noção de certo e errado, de bem e de mal. Falam o que querem, fazem o que querem, e ninguém pode nem reclamar? Ora essa!
    Todos podem e devem expressar opiniões SIM, sobre TUDO. Qual seria outra maneira de crescer, intelectualmente, portanto social e economicamente?
    Francamente, “fazer o que tem vontade”? E quanto às obrigações e deveres, algumas vezes desagradáveis, mas necessários? Quanta irresponsabilidade e alienação pregadas num só texto!
    De boa, defendo o seu direito de opinião, SEMPRE, mas isso não significa que respeito sua opinião. Respeitar seria fazê-la minha, seria concordar com ela. Pra mim é uma opinião errada, omissa, idiota, alienadora. Não você, mas a sua opinião. Repito, opinião cujo direito de tê-la, eu defendo sempre, mas se não concordo, como posso respeitá-la? Justamente por não concordar é que tento sim mudá-la, convencer pra uma realidade melhor que entendo ser a minha, ou a de outro cuja ideia eu respeitei.. Tenho esse direito, ou não?
    Chega de mimimi, senhor autor, o que você está tentando fazer é aplicar a estratégia socialista: chame-os do que você é, acuse-os pelo que você fez.

    Curtir

    1. Respeitar o direito de opinião e não a opinião em si tem muito a ver com aquela frase de Voltaire (posso não concordar com uma palavra do que diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-la).

      Posso ver que discordamos. Tanto que você trouxe o socialismo em seu comentário, algo que não é abordado em nenhum momento do texto :)

      Curtir

    2. Concordo totalmente com o teu comentário Daniel. O resumo desse texto é: “vá cuidar da sua própria vida”. PQP, quer ver uma pessoa mais alienada que é só se importar com si mesmo e ignorar os outros de forma inconsequente?
      Deve ser um adolescente ignorante quem escreveu.

      Curtir

      1. Dizer que não preciso escolher entre Dilma e Aécio e nem levantar a bandeira dos dois não significa que eu ignore política. O mesmo pra Bolsonaro/Wyllis etc. Tenho minhas convicções políticas e permaneço com elas. Tentei não expô-las no texto, pois não é um texto que trata de política. É um texto que trata do fato de haver um mimimi generalizado onde as pessoas se ofendem sem motivo algum. Esses comentários (assim como muitos outros) provam a tese de que essa é a geração mais mimimi que já existiu, rs

        Curtir

      2. Olhe como voce termina seu comentario Edvan. Supondo (de forma preconceitupsa) que o autor é um adolescente ignorante. Tu és um ignorante e um imbecil.

        Curtir

    3. Acho que você, assim como muitos outros, não entendeu o texto, por isso vou te explicar.
      O que o Anderson quis dizer é que essa geração quer estar de um lado OU de outro, mas não é assim que funciona. Por que eu preciso escolher uma só porque concordo com ALGUNS pontos dessa ideologia? Eu preciso realmente ser a favor da gestão de algum político só porque gostei de ALGUMAS medidas desse político? Eu preciso realmente ter opinião sobre assuntos que não me interessam ou sobre os quais não sei absolutamente nada (e nem me interesso em saber, tipo futebol)? Você tem opinião sobre tudo? Tem opinião sobre assuntos que não lhe interessam? Você tem opinião sobre a saída de Hideo Kojima da Konami, por exemplo? Ao menos sabe quem é Hideo Kojima? Você tem opinião sobre a arquitetura Bulldozer? O que você diria se alguém lhe dissesse que irá comprar um FX 4300 para usar com uma GTX 980? Tem opinião sobre isso?
      OBS: dei apenas alguns exemplos de assuntos que EU tenho opinião sobre.
      Eu tenho opinião sobre os assuntos que me interessam (como os que eu citei acima), e a minha ideologia não é igual a nenhuma ideologia já pronta. Não é da esquerda nem da direita. Nem “petralha” nem “coxinha”, nem liberal nem conservadora. Tem pontos que eu concordo de várias ideologias mas nem por isso eu concordo totalmente com essa ou aquela ideologia. Não é porque eu concordo com alguns pontos de um lado que eu sou desse lado. É ISSO que o texto quis dizer, para você não ser binário, não ser 8 ou 80, e sim avaliar cada um dos lados, avaliar várias opiniões e absorver aquilo que você concorda e rejeitar o que você não concorda e não escolher um dos lados só porque concorda com ALGUNS pontos.
      Você quer saber de tudo? Quer ter opinião sobre tudo? Até sobre os assuntos mais irrelevantes, ou sobre aquilo que você não sabe nada? Parabéns para você campeão, vai fundo, mas não encha o saco de quem só quer opinar sobre o que interessa a si mesmo, de quem não quer ser binário, de quem não quer ser rotulado como sendo de um lado ou do outro. Em resumo, deixe de ser chato :).

      Curtir

    4. O senhor não entendeu uma só palavra deste texto!!! É uma crítica ao desespero dessa nossa geração em ter opinião, seja ela qual for…!!! Vivemos abarrotados de informações, cada dia mais e mais, não existe tempo para digerir, para aprofundar… O dia continua tendo 24 horas! Na minha humilde opinião o maior tipo de violência neste mundo é a OPRESSÃO e acredito que o senhor não entenda o significado de respeito… Quando você tenta mudar a opinião de alguém acreditando e impondo que possui o “certo” do seu lado, você automaticamente coloca-se numa posição superior ao pobre mortal que vive “errado”… O mundo tem desse mal, muitos foram os Napoleões e os Hitlers que tinham a certeza de que sabiam o que era melhor para os outros, ai deles se não concordassem certo?! Respeito é justamente levar em consideração uma opinião que não é sua… Humildade também faz parte disso, VC não pode ser o dono da verdade pois não pode enxergar por todos os pontos de vista, pois VC é um só… Olha a diversidade desse planeta! Menos opressão e mais liberdade gente! Pra que tentar colocar nossas mentes numa caixinha quadrada e sem graça?! Vamos nos respeitar no sentido mais amplo da palavra… A propósito, A.M.E.I este texto, é uma delícia ler tanta sinceridade… ;)

      Curtir

    5. Nem terminei de ler com o quão ignorante é sua resposta, e não vou nem me dar ao trabalho de argumentar o motivo visto que isso não tem importância para você, já que com um texto deste você já penda assim.

      Curtir

  14. “E não, você não pode ficar de fora” Caro autor, eu faço parte da geração mimimi e nem por isso me encaixo nesses padrões citados, se você não consegue sair desses padrões “exigidos” pela sociedade, não pense que todos estão propensos a isso como você.
    Sem mais.

    Curtir

    1. So pelo teu comentário tu prova q é mais mimimizador de todos nessa poha, se vc n se encaixasse realmente nesse padrão vc n precisava vir dar sua opinião e tentar provar q o autor esta errado. ps: to mimimizando tbm… kakakakkak quem nunca? Bjos.

      Curtir

      1. Nesse caso, parceiro, o autor que é o mais mimimizador de todos, pq se ele realmente não se encaixasse nesse padrão, seria o primeiro a se abster de opinar sobre essa geração – de forma bem essencialista, diga-se de passagem.

        Curtir

    1. Cada um tem da sua vida o direiro de fazer dela o que bem entender, precisamos AMAR mais o próximo, acredito que o amor é a maior forma de respeito que o ser humano possa ter. NÃO FAÇA COM OS OUTRO TROS, O QUE VOCÊ NÃO GOSTARIA QUE FIZESSE COM VOCÊ!

      Curtir

      1. A mulher e substituivel. Nao se iludam mulheres. Vcs nao estao com essa bola toda. Vcs nao passam de psicopatas , e mutantes pessoas friustradas busca de um trouxa para fazer figuraçao na vida de voces

        Curtir

    1. Sou um mimimi que acham que todas as escolhas livres das pessoas são mimimi kkkk !! Quanta incoerência em um único texto. Se a pessoa é de esquerda ou direta, que vc tem a ver com isso cara, para de mimimi ai, “pseudo-intelectual ” !!

      Curtir

      1. O autor expôs sua opinião, ninguém é obrigado a concordar, cada um tem sua visão de razão segundo suas próprias ideias natas, não existe verdade absoluta, certo ou errado. Isso que ele quis explicitar, incoerência é a sua de criticar exatamente do jeito que ele está expondo!

        Curtir

  15. Excelente texto André! Estou tão cansada dessa geração mimimi (da qual te faço parte) que já refletí e penso que somente mudarão, quando chegarem ao extremo de perceber que mesmo com todos os protestos organizados online para sempre tomarem partido deste ou daquele assunto, perceberão que o resultado será exatamente o mesmo conseguido pelas gerações anteriores, ou seja, muita energia e muito barulho para obter o mesmo. O brasileiro se tornou o boicotador de sua própria existência e isso é muito triste!

    Curtir

  16. bem importante e interessante a reflexão, anderson. gostaria de levantar dois pontos… desejei que o texto pudesse se distanciar da dualidade, cujo resultado também tem sido bem marcado nos comentários – ou gosta ou não gosta – que é a essência dos haters, mimimi, whatever. o que não sou eu (parecido comigo, meus valores, etc) deve morrer… saca? esse confronto entre lados acaba por desviar uma questão que é da gênese humana e me leva ao outro ponto, e que não acho que faça parte exclusiva desta geração – que é não saber dialogar, administrar conflito, ter empatia, incluir e tals. tudo isso, passa sim pelo olhar pra dentro (quem sou) e não para fora (o que eu acho que deveria ser)… enfim, só tentando contribuir para o bom diálogo ;)

    Curtir

    1. Mto bom. Penso parecido. O ponto mais importante que podemos tirar dessa grande e infinita discussão acima é que ao invés de dividir o fato em DOIS LADOS sim e não, e fechar o mundo em algumas opiniões estáticas. O melhor é nao fechar as coisas assim, os ciclos de amizade, as pessoas e os caracteres, tudo em aquilo que parece ser. O melhor é sim criar uma opinião aparente, um mimimi, mas ao mesmo tempo também manter em aberto a nossa parte mais humana, o nosso ser, algo que vai além de ter uma opinião e chega a ser uma visão. … que sempre pode mudar, e essa não pode ser rotulada

      Curtir

  17. Nem todos conseguem pensar fora da caixinha, não é tão facial como tudo na vida, e infelizmente a maioria das pessoas não querem pensar, pois, pensam que o ditado popula que diz que queima neurônios é fato, não exercitam o cérebro e acabam do jeito que mais teme e acabam virando grandes devoradores de opinião aleia, infelizmente 99,99% das pessoas são assim e um comentário disse que estudamos os que pensam fora da caixinha e pelo que entendi e contra pensar fora da caixinha, é muito contraditório, mas isso não cabe a mim, a vida hoje é muito difícil e as pessoas preferem opiniões, ideias e pensamentos prontos e isso é fato.

    Curtir

  18. Tem Isso tudo sim e mais a insuportável onda do “politicamente correto”. Porque não basta que você tenha opinião sobre tudo, Sua opinião tem que ser “legalzinha”. Ai de você se você gostar de comer carne vermelha, ou se preferia ter vagas para estacionar ao invés de ver faixas pintadas de vermelho pela cidade. A patrulha já vem de porrete levantado e você é engolido em uma onda de depoimentos repletos de textos profundérrimos… é como se fosse obrigatório ser a favor de banir a carne vermelha e de gostar de bicicleta.

    Só discordo, em parte, com o que você coloca, porque acho importante ter opinião sobre as coisas, ter curiosidade sobre tudo o que gira em torno de você, afinal, a pessoa é definida por aquilo em que acredita. Se ela não forma opinião sobre as coisas, o que ela seria? E para formar opinião, tem que observar, pensar sobre. O que concordo é que nem sempre é necessário tornar sua opinião pública.

    Agora, pra ficar na média, vai o comentário que eu realmente deveria ter feito: Concordo! Parabéns…

    Curtir

  19. Eu me prestei a ler todos os comentários e é tão fascinante o que o autor se refere no texto é exatamente o que se observa nos comentários. Essa geração que ele chama de “mimimi” eu já daria outro nome “haters”. Estamos vivendo numa sociedade/geração que rapidamente toma uma posição/opinião (tornando aquilo público imediatamente) e é bem como nos comentários “Isso é uma bosta – próximo!” ou o contrário “excelente- próximo!”. A minha interpretação desse texto, não é que ele quis dar a sua opinião, e que por sua vez a opinião dele é não ter opinião alguma. Eu entendi de tudo isso que nós temos que ter opiniões sempre muito imediatas que ninguém quer simplesmente dar de ombros e dizer “pois é nunca pesquisei, não sei muito bem o que se passa sobre esse assunto, mas talvez isso blá blá”. E como eu escrevi “essa é minha interpretação” MINHA, não preciso que alguém concorde com ela ou discorde. Parece que as pessoas não estão acostumadas a debater, e olhar para um comentário simplesmente como uma nova variável dentro de todas as variáveis, elas rapidamente tem que validar ou desvalidar aquilo dizendo “isso é uma bosta” ou “isso é excelente”. Porém, ambos (bosta ou excelente) são pontos finais de discussão, e o que o autor quer é mostrar que não precisamos de “pontos finais”.

    Curtir

    1. Sua interpretação está MUIIITO próxima do que eu quis expor aqui. É impossível que vejamos algo exatamente da mesma maneira, mas temos visões bem parecidas. Muita gente se sentiu ofendida com o texto e eu não entendi o motivo hahahahah

      Curtir

      1. Pois é Alessandra Vargas. Se não quer que alguém argumente, não exponha seus comentários, seus pensamentos, não SE exponha na verdade. Por que a partir do momento que este ambiente é considerado aberto, estamos sujeitos a qualquer tipo de opinião. E isso é o que está incomodando muitos, e colocando a culpa nessa “geração”, porém se olhar bem, várias “gerações” juntas fazem da internet o que ela é, a diferença é que a época se passa agora, anos pertencentes a uma geração que está tentando lidar com inúmeras informações todos os dias.

        Curtir

  20. Essa geração é mimimi mesmo, se vê pelo próprio texto… HAHAHA
    Quer algo mais mimimi que isso? Uma coisa é diferente sobre as geraçoes passadas e essa, o fato de que tem uma coisa chamada internet, que permite todo mundo comentar sobre tudo, até sobre o xixi do gato do mendigo… Então todo comentário toma proporções bem maiores do que uma roda de amigos ou da família… Só isso… Mas o mundo é assim desde que o mundo é mundo… Bem e mal, Jesus Cristo e Demônio, azul ou rosa, direita ou esquerda…. Enfim, foram termos que não foram criados agora, mas em algum momento alguém resolveu separar!

    Curtir

    1. Faz sentido Nádia (e confesso que o texto tem um quê de “mimimi” mesmo). Mas me reservo ao direito de não ter que escolher entre um lado e outro. Postaram um vídeo aqui nos comentários da teoria da caixa de bombom que se encaixa exatamente nisso! Dá uma procuradinha quando tiver um tempo :)

      Curtir

    2. Nádia, não é um comentário bem maniqueísta de sua parte?
      Primeiro; não existe SÓ Jesus e Demônio, Direita ou Esquerda. Acho que nem tenho que explicar isso.
      Segundo que, o que entendi do texto é que hoje a sociedade -especialmente a brasileira- exige que você tenha uma opinião sobre tudo. Desde as mais necessárias às mais triviais.
      Por que eu tenho que ter uma opinião sobre a devolução de impostos da maconha no Colorado -Eua-? Não, cara, eu não tenho que ter essa opinião.
      Por que eu tenho que me sensibilizar com o movimento ateu finlandês?
      Eu não tenho!
      E o pior, hoje em dia você não tem que dar opinião apenas por um bom debate; você tem que dar opinião para se mostrar politizado e intelectual (como se fosse uma virtude), e só por isso. Porque ninguém liga sua opinião, exigem que você tenha uma.

      Curtir

  21. Saudações Anderson!

    Concordo plenamente com o título da postagem, realmente é a geração mais “mimimi” que já existiu. Penso que não faz mal você ter sua própria opinião, mas também NÃO FAZ MAL ALGUM você ter semancol para entender que “cada um cuida do seu cada qual”.

    Tá difícil para essa geração entender (tanto a X quanto a Y e a Z) que a visão deles não pode ser imposta como “a certa”, digo no sentido sobre condição sexual, time para qual torce, religião, política entre outros. Coisas pessoais assim não deveriam ser discutidas como certa e errada. Mas acredito que UM DIA, um dia isso melhora.

    Ah, estarei a verificar mais vezes a página. Gostei demais deste blog!

    Abraços!

    Curtir

  22. Se ter opiniões sobre assuntos que fazem parte da nossa vida não é necessário e relevante. Está dando sua opinião sobre ter opiniões porque?! se não interessa pra ninguém?! E comenta os comentários a respeito do seu texto porque?! Se a opinião popular não serve pra nada, não significa nada?! No fim, você deixa bem claro que o que todos pensam sobre um assunto é sim relevante e te incomoda que muitos saibam muito mais do que você, e tenham opiniões sobre você, e sejam tão pensantes e tão melhores que você, e principalmente, te incomoda que descordem de você. Então vou deixar minha opinião aqui sobre seu texto e sua pagina: Você é ruim de escrita, tem vocabulário pobre, é ruim de opinião, péssimo de argumento e não acrescenta em nada a leitura dessa pagina. Então, que tal fazer o que você mesmo defende no texto, encontre algo que goste e seja bom e se dedique a isso… você não precisa compartilhar tudo o que pensa!!!

    Curtir

    1. Oi anônimo… É irônico comentar que “eu comento todos os comentários de meu texto”… São meus textos e eu sinto a necessidade de comentar, concordar e discordar das opiniões que começam à partir de uma opinião minha que surgiu de um amontoado de letras e palavras… Acho isso fascinante e alguém não concordar comigo é justamente o objetivo do texto. Você não precisa gostar dele, mas você comentar a respeito de um texto do qual você não gostou realmente mostra que meu trabalho está feito :) forte abraço

      Curtir

  23. Não seja tão binário, 8 ou 80, ninguen te obriga a escolher uma caixa fechada de ideias que vão te rotular, ninguém. A única coisa que o mundo vai te cobrar é o que você esteja olhando pra fora da janela do seu quarto e saiba o que se passa lá fora, esse seu pensamento não ta fora da caixinha ele ta mais pra uma bolha que vc criou dentro da caixinha só pra tentar dizer que pensa diferente do resto das pessoas.

    Essa geração surgiu no meio de discussões mais humanas e complexas do que as gerações anteriores, é lógico que começaria a refletir, ter idéias e tomar posições sobre os assuntos, é óbvio. Não dá pra eu ficar só na consulta interna e nao embasar, acrescentar ou até mesmo ter sua ideia completamente modificada por algo externo que já foi dito ou pensado por alguém (mas jamais seja um papagaio), e não ter uma vírgula de opinião sobre algo, isso é uma alienação e uma idiotização sem medida.

    Esse sua análise ta bem rasa e mimizenta, parece uma reclamação em defesa da permanência dentro da própria bolha.

    Curtir

    1. Você não entendeu o texto, por isso vou te explicar.
      O que ele quis dizer é que esta geração quer ter opinião formada sobre TUDO. Essa geração quer que o mundo seja binário e que você escolha um lado, mas não é tão simples assim. Por que eu sou obrigado a ter opinião sobre algo que não me interessa ou que não diz respeito a mim? Exemplo: Por que eu deveria ter opinião sobre o casamento gay? Eu não sou gay, não dou a mínima pra isso.Ou por que eu tenho que me posicionar na discussão da legalização da maconha? Eu não fumo maconha, e realmente estou cagando pra isso. Só porque eu concordo com pontos da esquerda eu tenho que necessariamente ser de esquerda? Concordo com pontos da direita também mas isso me obriga a ser de direita? Ninguém precisa ser obrigado a ter opinião sobre tudo. Não venha me dizer que você tem opinião sobre assuntos que não lhe interessam ou não lhe dizem respeito que você estará mentindo pra mim.
      Não é uma permanência dentro da própria bolha e sim uma vontade de não ser binário, de não se posicionar de uma lado OU de outro. Ninguém precisa necessariamente escolher um lado, precisa olhar dos dois lados e ver quais ideias lhe atraem mais de cada lado e montar sua própria ideologia e não abraçar uma ideologia só porque concorda com alguns pontos dela. Isso se quiser também. Se não quiser, foda-se, como eu disse, ninguém precisa ter opinião formada sobre tudo.

      Curtir

      1. Cara, tu és um belo de um babaca. Tu achas que a legalização da maconha só atinge quem usa a maconha? Tu achas que discutir casamento gay só importa aos gays? Tu acabas de determinar de cagar o teu texto mais que tudo com esse teu comentário. Acho que tens que ficar calado e ir cuidar da PRÓPRIA vida mesmo, egoísmo…

        Curtir

    2. Cara, gostaria de lhe dar uma resposta, mas o Guilherme Gomes já deu uma resposta que reflete tudo o que está constando nesse texto. Vale pra você e pro anônimo. Ninguém é obrigado a concordar com essas ideias aqui expostas. A questão aqui não é dar a MINHA opinião e sim você ter a sua própria. Sua opinião foi dizer seus dizeres, a do Guilherme foi a favor do texto.

      Existem realmente certos e errados? Creio que não. Forte abraço a todos e um especial ao Guilherme, que me deixou boquiaberto por ter uma compreensão tão boa daquilo que expus aqui! :)

      Curtir

      1. Valeu cara, seu texto é realmente excelente e reflete de forma assustadora o que eu penso. E não tem desculpa de não entender, não tem nada de complicado nesse texto. Essa geração (que infelizmente faço parte) me irrita cada vez mais. Para quem ainda não conseguiu entender o texto do Anderson que foi super simples de entender, ouçam essa música do Tim Minchim chamada The Fence

        E assistam também esse vídeo do Clarion sobre a Metáfora da Caixa de Bombom para entender que você não precisa obrigatoriamente escolher um lado. https://www.youtube.com/watch?v=UoZ_X8a47Oc

        Curtir

      2. Sou fã de carteirinha dessa música! Realmente não há desculpa para não entender. Mas o não-entender para alguns leva ao desespero, como pudemos observar. Obrigado de novo, Guilherme! ;) espero que sempre volte aqui!

        Curtir

    3. Concordo com vc!Não se faz necessário que eu escreva um texto,pq vc já disse tudo que eu diria,o modo como ele fala,sobre reflexão,’pensar por si mesmo’,parece desconsiderar o meio,mesmo quando se trata de questões deste!

      Curtir

    1. Poxa anônimo… Como escritor, sinto muito. Se quiser expor os motivos de o texto te fazer sentir tão bosta vou ficar feliz em ter um debate com você! ;) forte abraço

      Curtir

  24. As pessoas que mais se incomodam com todo o mimimi dessa geração, são as pessoas que mais se importam com as coisas listadas aí. Se você não se importa com essa porra toda, nada muda na sua vida.

    Curtir

    1. Ghiller eu concordo… E parto do princípio que as pessoas atacam aquilo que ofende a elas… Li cerca de uns três textos que me acusaram de estar em uma “bolha”, mas creio que a bolha pertence aqueles que se incomodaram com o que foi dito aqui. Não pretendo compartilhar tal bolha com eles! Obrigado por ler o texto com a mesma sensatez com a qual ele foi escrito! Forte abraço

      Curtir

  25. Nossa!!! Você deve realmente ter saido de alguma bolha! Imagina ser apático a tudo no mundo. Ser indiferente ao governo. A questões ambientalistais, decisões que englobam a todos nós. Você é um gênio!! #sqn “Ta Serto”

    Curtir

    1. Não se trata de não se importar Marcelo. Pelo contrário: se trata de se importar aquilo que lhe diz interesse, se libertando das escolhas que nos são oferecidas como se fossem as únicas. Na minha opinião (e se trata de um texto opiniativo) não funciona exatamente assim! Mas respeito a sua opinião e se eu tiver saído de alguma bolha garanto que foi uma bolha bastante confortável! :) forte abraço

      Curtir

    2. Aew amigo, a questão não é ser apático á tudo, mas sim não ficar concentrado em ter uma resposta na ponta da língua pra tudo que te perguntarem. E se você se acha obrigado a saber sessas coisas meu amigo, só lamento por sua liberdade.

      Curtir

  26. Até achei interessante seu comentário pós-moderno sobre a situação da atual geração, entretanto você defende a opinião própria como o centro da verdade, quando na verdade ela nada mais é do que um subproduto de uma cultura/sociedade na qual você já estava inserido quando se deu conta. O que quero dizer, caro amigo, é que nossa opinião é de fato baseada em rótulos e provavelmente nada tem de “nossa”. Só quando superarmos “o homem” é que conseguiremos ter pensado fora da caixa, antes disso é ilusão e arrogância. Um agregado de gente dizendo/escrevendo teorias e dizeres que já foram ditos anos antes, por falta de leitura e informação correta, e sobra de idolatrias absolutas. No fundo concordo quando você fala sobre pensar por si mesmo, só discordo que isto pode ser feito com a facilidade que você está chamando de opinião, pois poucos o fizeram, por isso os conhecemos, por isso estudamos seus nomes. Que sigamos esta linha…

    Curtir

      1. O Marcelo não entendeu a finalidade do texto ou se ateve a uma visão simplista do mesmo. Obrigado anônimo pelo comentário! :)

        Curtir

      2. Apático a todas as questões não, mas se importando somente com aquilo que realmente lhe importa. Tipo: se eu não gosto de um determinado programa de tv simplesmente mudo o canal e não vejo, não preciso participar de uma campanha via rede social ou assinar um abaixo assinado virtual para que a emissora retire o programa do ar. Eu não preciso ficar indignada e fazer alarde da minha indignação nem tão pouco rotular de imbecis aqueles que têm um gosto diferente do meu. Por outro lado, se eu achar importante preservar a vida das seriemas albinas do agreste cearense posso criar um movimento para isso e a ninguém é dado o direito de menosprezar a importância que eu dou às seriemas albinas.

        Curtir

    1. André, muito obrigado pela sua análise. Gostei bastante, principalmente por você defender as suas próprias ideias com bastante argumento. Com certeza você me fez pensar em alguns pontos sob um novo prisma, em especial sobre a facilidade do livre pensar a qual descrevo no texto. Na verdade me referi ao “não obrigar-se” a pensar do modo que somos condicionados (ainda que sejamos indiretamente condicionados de qualquer forma – por nossos pais, amigos, autores prediletos, professores etc.). Você compreendeu 90% do que se refere o texto e deixou sua réplica a altura! Muito obrigado :)

      Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s