Uma carta de agradecimento ao meu ‘eu’ do passado

Dizem que uma das coisas que mais importa na vida do ser humano é a reconciliação com seu ‘eu’ do passado. Você sabe, aquela pessoa que você foi antes, ainda que não a reconheça mais. Passam-se os dias, meses e anos e nos transformamos em uma pessoa completamente diferente, resultado de tudo aquilo que o nosso ‘eu’ do passado fez ou deixou de fazer. Por vezes, tudo o que há na nossa relação com nosso ‘eu’ do passado é rancor, um ressentimento por não ter feito o suficiente. Na verdade, deveríamos ser gratos ao nosso ‘eu’ do passado. Sem ele, não estaríamos aqui.

Ao invés de desprezá-lo, de fingir que não era eu e de fingir que que aquela pessoa não vive em algum lugar dentro de mim, resolvi escrever uma carta de agradecimento ao meu ‘eu’ do passado:

“Querido eu,

Eu acho que não me faltam motivos para ressenti-lo, só por pensar na quantidade de burradas e besteiras que você aprontou por aí. O que você fez e deixou de fazer em um dia há dez anos atrás, se tornou mais do que uma memória, se tornou uma marca cravada em mim. E bem, eu acredito (e sei) que você fez o melhor que pôde.

Ao invés de delirar sobre você e sobre o que você poderia ter feito, prefiro agradecê-lo. Quero dizer, você se concentrou naquilo que acreditou ser mais importante, não é mesmo? Na verdade, por vezes eu sinto um pouco de inveja de você. Você tinha bem menos responsabilidades, podia se dar ao luxo de fazer besteira o tempo inteiro. Ás vezes, queria ser tão louco quanto você. Por outras vezes, entendo que foi a sua loucura que me colocou nos trilhos de uma aparente sanidade.

Sim, você poderia ter feito as coisas diferentes. Largar a faculdade, por exemplo. Mas se você não tivesse feito isso, eu provavelmente estaria em algum emprego que eu odeio hoje. Você também poderia ter sido menos impulsivo ao acordar um dia e resolver que trocaria de cidade para sempre, mas se você fizesse isso eu não teria passado por algumas das coisas maravilhosas pelas quais passei ao longo dos últimos cinco anos.

No fim das contas, eu preciso agradecê-lo. Eu preciso agradecê-lo por seguir sua natureza, seu coração. Por saber colocar as coisas na balança, ir meio devagar em um mundo que anda com pressa. Obrigado por não ter se encaixado, por não tentar ser como todo mundo. Obrigado por todas aquelas vezes em que você mudou radicalmente, que enfrentou suas próprias mentiras e erros. Obrigado até mesmo pelas vezes que você varreu as coisas para debaixo do tapete, simplesmente para evitar o estresse. 

Dizem que a gente não pode viver do passado e eu acredito pra caramba nisso. Porém, isso não significa que devemos esquecer e ignorar o passado. Não, não é assim que deve ser. O passado deve ser celebrado em gratidão. Não há qualquer motivo para ser grato por você, meu ‘eu’ do passado, se não o fato de que se você não tivesse feito tudo o que fez, eu não seria quem eu sou hoje.

Obrigado, ao meu eu do passado, por me tornar quem eu sou”.

 

Acredito que sempre devemos nos reconciliar com o nosso passado, não apenas fingindo que os fatos não aconteceram ou ignorando lições importantes. Lembre-se sempre: o passado lhe transformou em quem você é hoje.

Agora… Sua vez! Que tal escrever uma carta para o seu ‘eu’ do passado?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s